Artigo Definido

Viver na Aliança de Amor - Pe. Irineu Trevisan

A observação atenta desta frase VIVER NA ALIANÇA DE AMOR, revela-nos ser de valor expressivo para o NOSSO TEMPO. Seu sentido geral é expressar o amor como ELO mais próprio, bonito a vincular amigo com amigo, pessoa com pessoa, comunidade com comunidade, pais com filhos e vice-versa, esposos entre si. É o laço de amor que, por excelência, deve caracterizar o relacionamento dos povos, das raças, dos continentes, países entre si.

Os papas dos últimos decênios usam a expressão civilização do amor, como o fenômeno por excelência a ser cultivado no terceiro milênio.

Jesus já havia proposto o amor como mandamento fundamental, o elo primeiro, maior e principal do Reino, cujas bases veio deitar. "Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei!"

São João conclui bela e acertadamente que o amor é a essência de Deus. "Deus é Amor"(1Jo 4,1). E São Paulo propõe o amor como essência da vida cristã (1Cor 13). São Francisco de Assis cria uma espiritualidade em base à pobreza sim, mas vivida com amor. Esse amor que irmana toda a criação, a ponto desse santo assim se expressar: "Meu irmão sol, minha irmã lua..." São Francisco de Sales ensina que ser santo consiste em fazer tudo, desde as menores ações do dia com, por e para o amor. E Dom Bosco cria a Pedagogia do Amor. Pois, ser educador - afirma ele - consiste em amar o educando, sem jamais depor esse amor.

A Aliança de Amor, entendida como elo, laço que entrelaça e une as pessoas, tem um sentido geral. Pode ser assim proposto: amo para ser amado; amo a quem me ama; amo por que sou amado; amo sem ser amado; amo a quem não merece ser amado.

No Movimento Apostólico de Schoenstatt, à Aliança de Amor é dado um sentido específico. Em primeiro lugar, porque é uma aliança que inicia com a Mãe de Deus. Ela me ama; eu A amo. E assim lentamente o amor da Mãe do Belo Amor não só irá invadindo a minha vida, mas também transformará o meu amor, de modo a se tornar - o quanto possível - semelhante ao d'Ela.

De mais a mais, Ela há de zelar para que o meu amor cresça em altura. Ou seja, passe d'Ela a Jesus, ao Espírito Santo e a Deus Pai. Desaparece assim o temor, que muitos sentem, em confiar-se à Mãe de Deus, por que estaria pondo a Ela no centro e relegando, a um segundo plano, Jesus.

Maria Santíssima - professam os santos, os mariólogos a Igreja Católica - é o caminho mais rápido, seguro e belo para se chegar a Jesus. O mesmo diga-se do amor ao Espírito Santo e a Deus Pai; é melhor atingido, experimentado, vivido, se começar por Maria Santíssima.

Outro aspecto específico da Aliança de Amor alimentada em Schoenstatt é o seu crescimento em profundidade. Quer dizer, o amor, de início manifestado através de provas simples, lentamente há de se tornar mais maduro, convicto e até heróico. Passa a ser uma disponibilidade plena (Carta Branca) aos desejos de Deus a meu respeito. Mesmo quando tais desejos incluem o sofrimento e a cruz (Inscriptio).

E mais: a Aliança de Amor, cultivada pela espiritualidade de Schoenstatt, tem seu início no amor à Mãe de Deus, mas tenderá a se estender ao próximo, aos amigos, aos pais, aos filhos, aos vizinhos e colegas, enfim à comunidade toda, até mesmo aos inimigos. E isso pelos séculos dos séculos. São os aspectos de largura e comprimento da Aliança de Amor.

NADA SEM TI. É importante destacar que esse tipo de Aliança de Amor tem dois aliados, parceiros: o divino presente em Maria Santíssima e o humano representado por mim. O meu amor é indispensável. Para me amar, Nossa Senhora não precisaria depender do meu amor a Ela. Mas quer depender de mim. Pede. Espera a minha colaboração, as minhas provas de amor. A Mãe de Deus deleita-se em sentir-se amada por mim. Não importa que esse meu amor a Ela seja frágil, mesquinho, inconstante... Importa sim que ele, de alguma maneira, seja sentido pela Mãe de Deus. Esteja presente. Haja em mim ao menos a boa vontade em amar a Mãe de Deus.

Nada sem Ela - sem as provas de amor a mim por parte da Mãe de Deus. Mas também nada sem mim: as minhas provas de amor conscientemente cultivadas, expressas, manifestadas.

Concluindo: Após estas rápidas apresentações, esclarecimentos do sentido geral e do sentido especificamente schoenstatteano da Aliança de Amor, teremos sentido, descoberto como é verdade que vivê-la - a Aliança de Amor - é importante, valioso, belo. Dá sentido novo, gostoso à minha vida espiritual.

Pois então, obrigado por sua atenção, parabéns pelo êxito que obtiveste com esta minha exposição.

Meu Abraço,

Pe. Irineu Trevisan

Pe. Irineu Trevisan

Padre Irineu Trevisan, ocupava a função de Assessor da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt. Tem outros dois irmãos, que também são padres.

Esta página foi atualizada em 25/08/05

Copyright © 2003. Todos os direitos reservados -  Artur E. Salgueiro  e  Bruno M. Salgueiro